Pages

9/24/2012

Ainda bebemos da mesma água...

Não é preciso derrubar uma casa construída para passar com seu asfalto!... se aquela casa te incomoda, basta desviar alguns passos... e deixem os moradores e aquele jardim ser feliz...
quanto esforço... quanto pensamento destrutivo... quanto tempo perdido para se defender... cada passo dado é uma alfinetada... e justo na própria terra onde vc constrói sua tradição... os maiores ventos não estão longe... estão ao lado... cortando...
Andamos resistindo a ataques... andamos resistindo aos umbigos... Esse drama todo não é do teatro.... é do egoísmo...
Porra! Parem de mijar ou cuspir no rio!... bebemos da mesma água... em potes diferentes... mas ainda é a mesma água...
por fim... me recuso a ser pessimista.. me recuso a aceitar a filhadaputagem alheia... a nóia alheia... do extremo do "foder o outro"
acredito no artesanato da coisa... e acredito nos brothers que realmente são generosos... e conheço MUITA gente boa... Muita gente do bem.. Muita gente que aguenta pressão... Muita gente que torce por mim e meus amigos.. da mesma maneira que torço por eles.
A gente se esforça apenas para estar feliz... para respirar no meio de tanta gente sarcástica...
quanto sabor amargo! Quanta tolice por que simplesmente damos um passo ou dois nesse ofício difícil!
para quem torce de verdade para que outro seja feliz... darei a minha energia recíproca...
porque o teatro pra mim não é uma atitude de velocidade para ver quem chega primeiro... é o lugar onde encontro o outro lado do muro, levantado pelos calcanhares porque não alcanço o suficiente...

em terras onde a tolerância desapareceu... vou insistir em estar vivo!


Por Cleiton Pereira (Naqueles dias em que alguém nos atira facas...)

CURRA-TEMPEROS SOBRE MEDÉIA no Circuito de Teatro em Português...

fazendo a travessia...
apresentação deliciosa...
banqueteada... cachaceada...
com amigos do outro lado do mar...
amigos de Portugal.. Moçambique, Cabo Verde, Angola...

logo cruzaremos estas fronteiras... e chegaremos de navio... com nossas garrafas de cachaça...

(Apresentação realizada no Teatro APCD, em Santana, no dia 26 de agosto/2012)



Contadores de Mentira e amigos de Moçambique, Portugal, Cabo Verde, Brasil, Angola...
Contadores de Mentira e os amigos de Moçambique - África





"O INCRÍVEL HOMEM PELO AVESSO" na 8ª Mostra de Referências Teatrais de Suzano/2012

A Feira fazendo sentido...
o Balaio se "ajuntando"...
em casa... na rua...
nossas luzes de candeeiros...
nossos sinos que anunciam...
aos olhos tortos de Urubus... eis nossa presença com muita felicidade...

na 8ª Mostra de Referências Teatrais de Suzano...
casa lotada... pelas conquistas de muito trabalho...

povo do "Balaio" em participação especial  no espetáculo.. dando sentido à feira...

Pajeú à luz de Candeeiro (Danilo Souza)

"Estragado" à espera de Conselheiro... (Cleiton Pereira)

João Abade.. "Touro" (Ailton Ferreira)
Candeeiros...





CURRA - TEMPEROS SOBRE MEDÉIA no Ateliê Casarão em Jundiaí

são muitas casas... são muitas janelas... outros horizontes pra avistar...ali... tão pequeno jardim... de casa tão cheia de história....ali adentramos...e a lua foi incrível...foi a céu aberto... sem teto...deixamos o vento bater em nossas sombras...



por que vocês são tão pequenos?....


7/26/2012

CURRA-TEMPEROS SOBRE MEDÉIA, no projeto REVIRARUA do grupo ENGASGA GATO


Estivemos lá... no Projeto Revirarua do grupo ENGASGA GATO, em Ribeirão Preto
a gente vai descobrindo outras tantas histórias... e estes estão no último andar.. donde se avista tanta coisa...
 O evento chega para ocupar o espaço público e patrimônios históricos do centro da cidade com ações artísticas e culturais ...
ali cachaceamos... numa casa incrível cheia de história...
esta apresentação em especial agradece especialmente a Dilson Rufino e Patrícia Albuquerque... que nos apresentaram os meninos e meninas do Engasga Gato...
povo incrível...



CURRA-TEMPEROS SOBRE MEDÉIA... na ARCA, em Ribeirão Pires

A ARCA é uma tribo de gente boa... de parceiros... de batalhadores que assim escolheram suas raízes... São de Ribeirão Pires... cidade fria... esquentada nas mãos dessa tribo bárbara...
esta tribo mora na encosta de um morro... no caminho  de uma linha férrea...
ali fomos bem recebidos debaixo de uma lona... num quintal...
com um pé de limão...
ali ritualizamos...
ali quebrou a panela...
desceu a borboleta...
e o fogo.. tão doce...
nos avisou...




O INCRÍVEL HOMEM PELO AVESSO... no Festival de Teatro de Suzano

Sim... somos de Suzano.. compartilhamos em nossa Ilha... e este Festival é um mergulho num rio que quase sempre insiste em ser um córrego... mas flui... e nos movimenta... é o nosso quintal... olhando para a casa que olha o jardim....